Animais em condomínio: como cuidar do seu pet

23.Março.2020

Os bichinhos já fazem parte da vida de muitas famílias. Só no Brasil já são mais de 70 milhões de pets vivendo em nossa companhia. A convivência com eles é bem mais simples em casas, mas o mesmo não acontece em apartamentos. 

Se dependesse dos donos, eles teriam toda a liberdade do mundo. Só que o espaço é limitado e é importante entender que manter os animais em condomínio demanda alguns cuidados. Também é preciso conciliar os seus interesses com os demais moradores, garantindo a ordem e o bem-estar de todos. 

Fique ligado nessas dicas da BRZ para preservar o seu apartamento, garantir uma boa qualidade de vida e segurança aos bichinhos e criá-los sem que incomodem os vizinhos. 

Direitos dos animais

Embora alguns condomínios proíbam a presença de pets, isso é ilegal. Além de violar o direito de propriedade do morador, assegurado pela Constituição Federal, também fere os direitos dos animais.

No entanto, o condomínio pode estipular regras para assegurar a convivência harmoniosa entre os moradores. É importante segui-las, pois o descumprimento pode gerar desde multa até a remoção do animal com amparo legal. 

 

Regras de convivência

O bom senso é o melhor aliado no dia a dia, mas há situações em que apenas ele não resolve. Por isso, há normas a serem seguidas. As regras de convivência com pets podem variar de condomínio para condomínio, mas, de maneira geral, você deve:

• transitar somente pelos locais permitidos para pets;

• passear com seu bichinho, preferencialmente, na rua ou nas praças do bairro, e, quando passear pelos espaços comuns do condomínio, não deixar de recolher os dejetos do seu pet;

• levar o bichinho sempre na guia pelos corredores e elevadores;

• usar focinheira em animais de raças consideradas perigosas, de grande porte, ou que apresentem comportamento agressivo, quando fora de casa;

• respeitar as áreas destinadas à circulação dos pets (em alguns condomínios é solicitado que se use o elevador de serviço, por exemplo);

• não deixar o animal sozinho próximo ou dentro do elevador;

• utilizar a caixa de transporte e focinheira quando necessário, especialmente para animais arredios ou agressivos e em locais com intensa circulação de moradores;

• não levar os pets para o playground se o condomínio vetar a presença deles nesse local para a segurança das crianças; 

• respeitar a lei do silêncio uma vez que todos os condôminos têm direito a momentos de sossego. Se um pet quebra essa regra com frequência em momentos inoportunos, podem ser tomadas ações contra o dono.

Convenhamos: não é nada demais, não é mesmo? Isso evita problemas com os outros moradores, além de dar mais tranquilidade ao seu bichinho.

 

Prefira animais de pequeno porte

Para quem vive em apartamento, o porte do bicho de estimação faz toda a diferença. Quanto maior ele for, maior será o impacto que causará na vida dos vizinhos. Um animal pequeno praticamente não fará barulho ao andar. Além disso, essa escolha tem a ver com o bem-estar do pet. Como os apartamentos, hoje em dia, são menores, um animalzinho pequeno aproveita melhor o espaço e fica mais confortável.

 

Cachorros ideais para apartamento

As melhores raças para você ter um cão no seu apartamento são Pug, Spitz Alemão (Lulu da Pomerânia), Shih-tzu, Lhasa Apso, Buldogue francês, Buldogue inglês, Chihuahua, Yorkshire Terrier, Poodle Toy e Dachshund. Essas são apenas indicações sobre o tamanho e a personalidade. Na verdade, uma das melhores alternativas é escolher um cão sem raça definida (SRD) ou o famoso “vira-lata”. Trata-se de um pet que se origina da mistura de raças e que, muitas vezes, é mais resistente a doenças. Os cuidados com ele também são fáceis, o que evita problemas no futuro. Outro ponto positivo de escolher um vira-lata é a questão da responsabilidade social. Há milhões de animais abandonados no Brasil, então adotar um cãozinho de rua é uma forma de ajudar esses animais.

 

Gatos

Os gatos são o segundo tipo de pet mais popular no Brasil e são especialmente recomendados para quem mora em apartamentos, uma vez que geralmente são mais tranquilos e independentes do que os cachorros. Outro ponto positivo é que eles podem ficar sozinhos ao longo do dia e fazem suas necessidades na caixa de areia. Isso evita problemas de comportamento e de higiene, o que impede as reclamações dos vizinhos. 

 

 

Outros tipos de animais

Embora cães e gatos sejam os animais de estimação mais comuns, é possível ter outros pets no seu apartamento. Para quem gosta de aves, é possível escolher uma cacatua ou uma calopsita, que são tranquilas. Você também pode optar por uma tartaruga, um hamster ou um porquinho-da-índia. Todos são opções de fácil cuidado e adequados para quem mora em espaços menores. Para completar, é possível criar peixes em um aquário, um coelho ou mesmo espécies exóticas, como um lagarto ou uma iguana. O importante é que o espaço seja ideal para a qualidade de vida do seu pet.

 

Faça pequenos ajustes no apartamento

Lembre-se de que ter um pet no apartamento é um compromisso sério e de que você deve levar em consideração o bem-estar do animalzinho. Por isso, é válido ter um espaço exclusivo para seu animal de estimação, como um cantinho onde ele possa dormir e brincar à vontade. Também é fundamental que ele tenha vasilhas de água e comida, além de cama e alguns brinquedinhos. Além disso, você pode precisar fazer alguns ajustes no seu apartamento em função do seu animal de estimação:

Piso

Um piso mais fácil de limpar, por exemplo, é extremamente bem-vindo, ao passo que tapetes e carpetes podem complicar a sua vida. 

Tintas

As tintas mais adequadas são as de acabamento acetinado ou semibrilhantes, pois têm menor aderência a manchas e resíduos gerais. Um pano com água, na maioria das vezes, é o suficiente para remover as marcas. É possível, ainda, encontrar tintas classificadas como "laváveis", que também são bastante úteis nesses casos.

Móveis

Os móveis não devem ter muitos detalhes. Aqueles com vidros, por exemplo, oferecem um risco maior, uma vez que os animais podem se chocar contra eles, causando acidentes perigosos. As estantes altas podem ser convidativas para que gatos subam nelas. Quando isso acontece, itens decorativos podem ser derrubados, causando prejuízos.

 

Perigos para o pet dentro de casa

É fundamental olhar bem para todos os cômodos do apartamento e identificar quais complicações eles oferecem. Pode parecer engraçado, mas muitas das precauções que devemos ter com os filhos servem também para os pets. Por isso, fique atento a fios desencapados, aparelhos eletrônicos, produtos de limpeza, remédios, alimentos, móveis, objetos cortantes ou pontiagudos, cosméticos, joias, bijuterias, chinelos, sapatos e enfeites de vidro. Afinal, você quer o melhor para o seu pet, concorda? Portanto, tomar essas precauções pode evitar que ele se machuque ou que você tenha algum prejuízo.

 

Telas de proteção

Para quem mora em um apartamento, instalar telas de proteção é imprescindível, principalmente se você mora nos andares mais elevados. Normalmente as telas são adquiridas pelos donos de gatos, já que os bichanos são conhecidos pela capacidade de saltar. Porém, os cães também podem alcançar a janela. Isso faz com que fiquem expostos a um grande risco. Então, sempre é bom se prevenir, não é mesmo?

 

O banheiro do seu pet

Separe um espaço onde seu bichinho possa fazer as necessidades sem sujar o apartamento. Caso tenha gatos, a boa e velha caixinha de areia resolve o problema. Se você tiver um cão, considere tapetes higiênicos descartáveis, comercializados justamente para essa finalidade. Camadas de jornal também podem servir, apesar de não serem tão práticas.

 

A saúde do seu pet

Os pets também precisam manter a saúde e a vacinação em dia. Além de ser uma atitude de amor e proteção, é uma exigência em alguns condomínios. Os bichinhos têm suas próprias necessidades, seus hábitos e costumes que variam de uma raça para outra. O grande desafio de criá-los em residências menores é justamente respeitar o espaço deles, oferecer conforto e manter o apartamento organizado. Dê banhos frequentes, limpe sempre os locais onde ele dorme e brinca para impedir que odores fortes incomodem vizinhos.Aplique remédios para pulgas, carrapatos e outras pragas para evitar a transmissão de doenças.

 

Gastando energia

Cães e gatos devem brincar, se exercitar e interagir para que não fiquem ansiosos ou deprimidos. E gastar energia é uma tarefa para a qual eles precisam da nossa ajuda, pois os espaços onde eles podem se soltar costumam ser reduzidos.

Por esse motivo, é importante levar o seu cachorro para passear e socializar, no mínimo, duas vezes ao dia. Os de pequeno porte, em geral, ficam bem com 30 minutos diários de brincadeiras, enquanto os de grande porte precisam de, pelo menos, o dobro desse tempo. Com isso, há maior possibilidade de interação com os outros cães do condomínio e, mesmo, entre você e os outros moradores, o que é um estímulo para a boa convivência com vizinhos que também amam animais domésticos.

 

Como você viu, ter um bicho de estimação em apartamento não precisa ser um problema. Basta tomar alguns cuidados. Ao saber seus direitos e deveres, a convivência com os condôminos se torna mais pacífica e confortável para todos os envolvidos. Assim, você e seu pet serão felizes e poderão aproveitar tudo o que seu BRZ oferece.


Leia outras dicas em nosso blog e nos acompanhe também nas mídias sociais em Facebook, Instagram e YouTube.